Éramos puros – poema

Nos disseram muitas mentiras,

E nós nelas acreditamos,

Mentiras suaves,

Disfarçadas de milagres,

Vieram,

sorrateiramente,

se instalaram,

aqui e ali

Depois vieram os problemas,

e ninguém soube a origem

mas estava lá

escondido em um quarto escuro,

em todos os cômodos da casa,

em todos os cômodos da alma,

procuramos-os em todos os lugares

menos, dentro de nós mesmos,

ficamos doentes e não vimos

ninguém nos avisou que assim seria

o quão triste é isso,

não posso descrever

onde está a nossa sensibilidade?

quem a roubou?

quem a contaminou?

Não sabemos…

Só sabemos que…

um dia fomos puros..

A batalha da vida – poema

Escrevo como quem procura o ar

Obrigado Ludovico Eunaudi

pelo ritmo

Aqui estou

digitando essa merda de texto

expondo o meu coração

que sofre,

mas que se cala,

ele vai e volta

numa espiral contínua

é tudo tão intenso

tão vivo

que não consigo

capturar as borboletas que passam do meu lado

onde estão elas?

Estou tonto

não as vejo mais

sinto que estou a base de alucinógenos

por acaso são eles caminhos para o paraíso

não quero o paraíso

quero enfrentar o mal em mim

quero destruí-lo

quero criar dos escombros uma nova babilônia

tão grande e bela

como jamais se viu

quero ser feliz pra caralho

curspir na miséria do mundo

deixá-la estirada no chão

chutarei o cachorro morto,

até que não sobre mais nada,

a mina felicidade virá da vitória

e a derrota pertence à tristeza

não a mim

derrota amarga

ela provará do próprio veneno

machucando corações inocentes,

ela nunca soube o que é sofrer

só o que é fazer sofrer

mas hoje o seu dia chegou

você não está aqui

de passagem

você veio para ficar

para aqui morrer

aqui vencerei

aqui subirei no monte mais alto

ea astearei a minha bandeira

cantarei aos sete céus a minha vitória

vencerei sozinho

escorregarei na subida

cairei na descida

estarei fudidamente fraco

mas não morrerei

aqui estarei

ferido, cheio de cicatrizes

mutilado

mas vencedor

a idade me chegará mais cedo

ficarei velho aos 23

mas não importa

tenho a força comigo

tive as minhas bbatalhas

e as lutei

como um soldado

da primeira guerra mundial

o meu prêmio não é a vitória,

mas a sobrevivência

fui lá embaixo,

vi o inferno

E volto aqui para contá-lo a vocês

ele existe

ele é feio pra caralho

mas ele não vencerá

eu te protegerei

a todos vocês

que lerem esse poema,

tenha força

não desista

não te conheço

mas estou com você

somos soldados

lutando a mesma batalha

em batalhões diferentes

conte comigo

juntos viveremos

juntos venceremos

e juntos choraremo.

porque a vida é uma batalha…

Flash da existência – poema

Tudo passa em um flash

E as notas do piano

não acalmam o meu coração

onde está a beleza que tanto se fala

para onde fostes, musa do prazer?

Não vejo mais nada

Só sinto a ador

De um golpe que não vi

E aqui,

escrevo intensamente,

num ritmo alucinante

pensando se,

O mundo fora alguma vez,

um lugar de homens sãos

De homens felizes,

Só tentamos,

Só escrevemos

tudo o que fazemos,

gira em torno,

de viver um pouco menos,

por alguma recompensa,

miserável em si,

mas que nos consola,

Fodam-se os puristas,

estou cansado de  tudo,

merda, mas não desisto,

Suicidar-me é impensável

Vivo na merda,

nela faço o meu ninho

E lá fico,

Junto com  o fedor e as moscas,

Não me sinto limpo

Não me sinto sensível

Me sinto machucado,

sujo e isolado

MInha vida não é perfeita

como tudo na vida

gostaria de ao menos,

viver melhor

limpar-me, mas não consigo

sou feio pra caralho,

feio por dentro,

E essa feiura plástica não resolve

Escrevo aqui,

Ou melhor,

sujo isso aqui

com palavras imundas,

vindas de um coração de sangue fétido,

a graça de deus não pousou sobre mim,

Engula-me miséria

faça sua morada em mim,

tome-me de assalto de uma vez,

não me tome aos poucos

Estou cansado de você,

Isso não é um poema,

é um tratamento,

uma confissão

do mais belo ser que não existe,

Sou eu,

Na feiura assim,

tão bela,

tão suja,

tão imunda

tão minha,

tão odiada,

tão vida…

Eu corri

Nesse campo aberto,

corro.

Tudo está escuro,

mas eu corro;

Vejo que não há salvação,

mas eu corro

Onde estão todos eles?

Nâo sei,

Eu só corro.

As estreças sumiram

e eu corro,

O sol começa a nascer

mas eu não quero nascer com ele

Eu corro,

O mundo parece girar mais rápido,

Meus pensamentos conectam-se

E eu corro

Mais veloz,

Estou chegando em algum lugar,

Mas então percebo,

que estou perdido,

Não corro mais,

deito,

e morro,

a minha carne deprendem-se dos ossos,

o sangue evapora,

e lá,

só restam os meus ossos,

brancos,

brancos como as nuvens,

gostaria  de viver,

gostaria de correr,

Mas lá estou eu,

Morto em um fundo negro,

Em um labirinto escuro,

Onde a luz nunca penetrou,

E onde falhei em encontrá-la,

Eu tentei,

Mas acima de tudo…

eu corri.

eu morri…

Sobre ir ao cinema

Tenho uma nostalgia com o cinema. Sempre me imagino em um cinema decrépito e vazio onde eu assisto um filme qualquer, enquanto o sono tentar me derrubar. Mas o fato é que tenho preguiça de ir ao cinema. Não há cinema na cidade onde moro. Desse modo, tenho que me deslocar até a cidade vizinha, de ônibus, então caminhar até o cinema (que às vezes não é tão próximo do transporte público), pagar o ingresso para finalmente poder assistir o filme. É quase uma Odisséia. De modo que prefiro em casa e assistir algum filme pelo meu celular ou no computador.

Mas já foi um frequentador de cinema.

Eu e a minha ex-namorada íamos bastante ao cinema (na minha opinião, não da dela, eu acho) e era legal. Assistir a um filme no cinema é bacana. O que não é bacana é pegar um ônibus e metrô e gastar uma hora e meia para chegar no cinema. E o cinema fica dentro do shopping. Putz! Ai fudeu de vez! Eu tinha que ir até o último piso, enquanto assistia às pessoas ao meu redor comprando, exibindo a sua vaidade e futilidade, enquanto queriam mostrar para o mundo ao redor delas o quantos elas eram especias, belas e fortes e todo essa blábláblá. Era emocionalmente torturante. Dava uma vontade louca de sair espancando todo mundo, e dizer-lhes face a face: “Você não vê o seu ridículo?!”Mas não. Nunca fiz nada disso. Apenas sentava com a minha ex em um banco qualquer do shopping e lá ficava, enquanto o filme não começava, ruminando com um humor pálido sobre a insensatez do ambiente ao meu redor. Me pergunta o que eu fazia lá . Mas então o filme começava e eu me sentia bem. Via a minha ex do meu lado. Ela parecia em paz. E isso me enternecia. Acho que por isso que gostava dela. Ela era o meu cinema, a minha obra de arte. Admirá-la era belo. Acho que não gostava tanto do cinema como gostava de observá-la. O cinema era só o pretexto. Era ela que completava o espetáculo. Sem ela o filme seria só um filme, como é agora. Talvez seja por isso que não vou mais ao cinema. Não esperava essa conclusão, no entanto surpresas ocorrem quando se escreve. Verdades latentes vêm à tona e nos deixam espantados e clarificados. Termino, por fim, esse post, dizendo a você:

Namore!

Vá ao cinema!

Admire a sua namorada!

Odeie um pouco o mundo!

E escreva tudo em um blog!

 

Opinião sobre a minha primeira vez

Bem, a minha primeira foi com uma GP (garota de programa). Sim, já antevejo a sua expressão de asco. Porém não fui com essas prostitutas de esquina, mas sim com uma GP de luxo. Não que isso faça muita diferença, mas ao menos salva um pouco da minha honra, não é mesmo? Mas, como foi a minha experiência então? É o que relato a seguir.

Transar com GPs é algo estranho. A única coisa que elas querem é fazer você gozar logo para que elas ganhem o dinheiro mais fácil. Ou seja, você está lá transando, tentando ter algum prazer e a puta gemendo: “Goza amor, vai, goza!” Como se pra ela o homem só se importasse com o ato de gozar. E não. O homem quer ter prazer antes de gozar. Isso foi o que eu estranhei um pouco. Mas algo engraçado acontece depois que você goza: A puta vira sua amiga. Parece que ela se sente como se tivesse cumprido bem o dever dela. E ai o papo-furado começa. Ou seja, paga-se 300 reais (em média) por uma 1 hora, mas goza-se em 5 ou 10 minutos. E daí o restante do tempo o cara passa só conversando. Realmente não vale a pena. No entanto como foi a minha vez valeu a pena pagar esse valor. Só por isso. Agora com mais experiência eu não voltaria a contratar uma GP. Porque no fundo o meu objetivo era apenas saciar a minha curiosidade sobre o sexo.

Esse post ficou bem curto, mas é porque o assunto em si me parece sempre um pouco cru e estéril.